Aparelhos eletrônicos e cuidados com a visão das crianças

aparelhos eletrônicos
O contato cada vez mais cedo com aparelhos eletrônicos desperta nos pais uma atenção extra com a visão das crianças. Alguns estudos indicam, ainda, que este comportamento aumenta os casos de miopia nos pequenos.A miopia é uma doença dos olhos caracterizada pela má visão à distância. Nela a imagem dos objetos mais distantes é formada à frente da retina, ao invés de na própria retina. Esse fenômeno faz com que objetos distantes apareçam totalmente desfocados, enquanto aqueles que estejam mais próximos dos olhos pareçam normais.Preparamos este artigo para orientar os pais preocupados com o impacto que o uso de aparelhos eletrônicos.

Como proteger a visão das crianças

Dores de cabeça, rendimento escolar comprometido e o hábito de utilizar os aparelhos eletrônicos muito próximos aos olhos em geral são indícios de que a criança desenvolveu algum problema de visão.Nesta hora os pais, preocupados, se deparam com o diagnóstico de miopia, hipermetropia ou astigmatismo, e saem do consultório com uma receita para a fabricação de óculos em mãos.Evitar este tipo de diagnóstico, no entanto, é mais simples do que possa parecer.Para impedir que o uso de aparelhos eletrônicos cause problemas para a vida toda, os pais devem realizar o acompanhamento oftalmológico dos filhos desde cedo.

Quando começar a levar meu filho ao oftalmo?

O ideal é que o primeiro exame oftalmológico seja feito quando a criança tenha por volta de dois anos de idade, para corrigir eventuais problemas diagnosticados, evitando lesões que possam acompanha-la por toda a vida.Crianças cujos pais ou irmão apresentem graves problemas de visão devem ter acompanhamento especial, para diagnosticar e corrigir rapidamente possíveis casos de estrabismo. Nestes casos, o primeiro exame deve ser feito entre os seis e os doze meses.No entanto, médicos desaconselham o contato de crianças nesta faixa etária com aparelhos eletrônicos. O uso destes dispositivos é recomendado apenas após os três anos por, no máximo, uma hora.A partir dos seis anos, o tempo de uso liberado sobe por, no máximo, duas horas por dia.Embora a tentação de deixar as crianças sob os cuidados da televisão, de tablets ou smartphones seja maior, é preciso que os pais se atentem aos riscos que o uso indiscriminado de aparelhos eletrônicos pode causar à visão de seus filhos.Além do desenvolvimento de quadros de miopia e estrabismo, o uso excessivo pode causar dor nos olhos, vermelhidão e, em casos mais graves, úlceras nas córneas.Esta enfermidade é causada pelos longos períodos em que crianças ficam sem piscar ao jogar videogame ou assistir filmes na televisão ou vídeos em dispositivos móveis.Nessa faixa etária, aliás, o cuidado com a visão das crianças deve ser redobrado, para não prejudicar o rendimento escolar. Além do cuidado com o uso de aparelhos eletrônicos, os pais devem realizar exames constantes para diagnosticar possíveis problemas de visão.Um dos problemas mais comuns nesta fase é a ambliotropia que, se não tratada, causa distúrbios permanentes.

Como evitar danos pelo uso de aparelhos eletrônicos por crianças

Embora seu uso por crianças seja desaconselhado por médicos, impedi-las de utilizar os aparelhos eletrônicos é praticamente impossível, já que estes dispositivos fazem parte de nossa vida.No entanto, com alguns cuidados pode-se diminuir as chances do surgimento de distúrbios de visão, protegendo os olhos dos pequenos. Saiba mais!Evite o uso por longos períodos, fazendo pausas de dez minutos sempre que o uso ultrapassar os 30 minutos;Deixe sempre o monitor ou a televisão na linha de visão das crianças;Posicione os aparelhos eletrônicos a uma distância segura dos pequenos, evitando que utilizem smartphones ou tablets muito próximos dos olhos;Fique atento ao tempo de uso destes dispositivos. Evite que as crianças passem muito tempo com eles e regule a luminosidade dos aparelhos.Cuidar da visão das crianças que usam smartphones e tablets cada vez mais cedo pode ser um desafio. Porém com os cuidados que trouxemos aqui esta tarefa pode ser mais simples.
Gostou? Compartilhe!

> Artigos relacionados

Chikungunya

4 perguntas mais frequentes sobre Chikungunya

virose

Virose e gripe: como identificar e tratar

Deixe seu comentário