Outubro Rosa – Pobreza Menstrual, um grave problema para a saúde das mulheres

A falta de recursos mínimos durante o período menstrual é um verdadeiro drama na vida de milhares de mulheres por todo o Brasil

A pobreza menstrual vem sendo um tema bastante comentado, devido a um projeto que visa a distribuição de absorventes para mulheres de baixa renda, recentemente vetado pelo Governo. O termo é usado para denominar a falta de recursos e também de acesso das mulheres a itens de higiene menstrual em suas casas ou escolas. Mulheres em situação de vulnerabilidade e pobreza, de todas as faixas etárias sofrem com isso, seja em áreas rurais ou urbanas.

Mesmo sendo algo natural ao corpo da mulher, acompanhando-a até por volta dos 50 anos, ainda existe um tabu em torno da menstruação, sem contar a desinformação. As meninas e mulheres que sofrem com a falta de recursos e condições adequadas para o os seus períodos menstruais, acedem à importância de revisar os programas de saúde e políticas públicas para a conscientização e amenização do problema.  

Em pesquisa recente feita pelo IBGE, com mais de 4 milhões não possuem requisito mínimo para a sua higiene íntima, como papel, água e sabão.

Por conta da falta de recursos e acessos a esses produtos, muitas meninas e mulheres usam o mesmo absorvente por muitas horas ou acabam utilizando pedaços de pano, papel higiênico, jornal velho e até miolo de pão. Essas atitudes acabam inevitavelmente gerando problemas que variam desde alergia e candidíase até a síndrome do choque tóxico. 

Além de afastar meninas da escola, a pobreza menstrual afeta a saúde ginecológica e mental das mulheres

A saúde mental dessas meninas e mulheres é outro grave problema associado à pobreza menstrual, ocasionando a evasão escolar e problemas de autoestima e aceitação. Toda mulher deve e tem direito ao mínimo de dignidade feminina e quando isso não acontece é devido a negligência das autoridades com relação ao assunto.

Os absorventes poderiam ser distribuídos em postos de saúde, assim como os preservativos. As escolas deveriam ter saneamento básico, assim como os lares de cada uma delas. 

Devido uma matéria publicada no Estadão abordando a problemática em torno dessas meninas que faltavam aulas sempre em determinados dias, todos os meses. Uma diretora observou que existia uma espécie de padrão nesse comportamento. Investigando mais a fundo a diretoria descobriu que era decorrência da menstruação, as meninas não tinham absorventes o que as deixava totalmente inseguras em sair de casa. Com isso, o colégio montou toda uma rede de apoio para a arrecadação e distribuição do item para as meninas.

 ¹Causada por bactérias, desenvolve um grupo de sintomas graves e rapidamente progressivos que inclui febre, erupção cutânea, pressão arterial perigosamente baixa e insuficiência de vários órgãos. 

Essa ação desencadeou uma verdadeira corrente de solidariedade por todo o Brasil. Enquanto projetos importantes são vetados, cabe à sociedade a conscientização, a contribuição e o incentivo a ações como essas.

Quer saber mais?

Confira abaixo alguns links importantes sobre o assunto.

Sobre mais sobre o assunto 

https://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,a-diretora-que-descobriu-o-motivo-de-alunas-faltarem-todo-mes-a-pobreza-menstrual,70003863020

Gostou? Compartilhe!

> Artigos relacionados

Menopausa: quando e como acontece

mastologia. Mamografia feita por mastologista.

Teste genético pode evitar quimioterapia desnecessária

Deixe seu comentário